quarta-feira, 27 de maio de 2009

Protesto camponês contra a desatenção dos governos frente à estiagem


Perto de 150 prefeituras das regiões Norte e Noroeste do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina param suas atividades e camponeses realizam mobilizações e trancam rodovias nesta terça e quarta-feira exigindo medidas por parte do governo contra a estiagem. Os movimentos manifestantes reclamam que R$ 40 milhões liberados pelos governos federal e estadual ainda é pouco. As verbas de R$ 20 milhões anunciada na semana passada pelo governo federal e os outros R$ 20 milhões anunciados pela governadora Yeda Crusius foram consideradas insuficientes.


Nesta terça-feira, dia 26, cerca de 5 mil camponeses bloquearam trevos de acesso nas cidades gaúchas de Santana do Livramento, Hulha Negra e Santo Antônio das Missões e rodovias em Canguçu e Tupanciretã. E no município de Palmeira das Missões, os agricultores fecharam a agência do Banco do Brasil.


No município de Hulha Negra, região da campanha, no sul de Estado, centenas de trabalhadores assentados bloquearam, por vários momentos durante o dia, a passagem pela rodovia que liga Bagé a Pelotas e Rio Grande.

Diante dos protestos e manifestações, os governos federal e estadual devem decidir e demonstrar como tratam a agricultura. Poderão dar aos agricultores um pouco de esmolas ou poderão dar o que realmente precisam para se equilibrarem diante da estiagem e seguirem com normalidade a vida no campo.


Depois de tantos prejuízos com a falta de chuvas, os agricultores precisam se recuperar para poder levar adiante as atividades camponesas. É responsabilidade dos governos manter a estabilidade da agricultura familiar. Com o anúncio da crise econômica global, os governos socorreram grandes empresas industriais e bancos privados. Agora é hora de socorrer os pequenos agricultores, aqueles que mantêm o pão na mesa de toda a população.


Se os governos puderam aplicar grandes somas em dinheiro para socorrer fabricantes de automóveis e de tantas coisas supérfluas, será que não pode agora socorrer aqueles que garantem a comida das pessoas? É agora que o Estado precisa demonstrar sua razão de ser. A função do Estado não é simplesmente promover a estabilidade financeira, mas manter harmonia de vida na sociedade. Equilibrar a economia significa garantir que as pessoas tenham acesso ao alimento, ao vestuário e todas as necessidades básicas.


Quando o Estado gasta recursos públicos para socorrer o capital financeiro e deixa de investir na produção, é simplesmente um escravo do capitalismo. Não podemos aceitar isso. É preciso protestar e mostrar para a sociedade o quanto é importante recuperar a agricultura, especialmente a agricultura familiar e camponesa que é responsável quase que absolutamente pelo abastecimento da mesa brasileira.


Opinião - Jornal Aldeia Global - Rádio Comunitária Terra Livre, de Hulha Negra/RS

Nenhum comentário:

Seguidores

Na sua opinião, Ecologia é:

Loading...

Dicas de blogs

Papel de Parede

Lago Sereno Rosa São Miguel das Missões - RS Tranqüilidade