sexta-feira, 20 de agosto de 2010

CNBB é contra mudança no Código Florestal

Durante coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, dia 19, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Geraldo Lyrio Rocha, e o secretário geral, dom Dimas Lara Barbosa, apresentaram duas notas divulgadas pelo Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB. Uma das notas manifesta o posicionamento contrário da CNBB ao substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) que reforma o Código Florestal. Os bispos defendem a manutenção do atual Código Florestal Brasileiro.




quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Primeiro uso de ferramenta tem 3,4 milhões de anos

Devoraram a carne, raspada da costela, até o último fiapo. O osso foi aberto em busca de tutano. Faz 3,4 milhões de anos que a cena aconteceu, mas seus restos ainda testemunham a primeira ocasião conhecida em que um ancestral do homem usou instrumentos de pedra.

A reportagem é de Reinaldo José Lopes e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 12-08-2010 e reproduzida pelo site do IHU (http://www.ihu.unisinos.br/) de 12-08-10.

Mas, é provável que os primeiros humanos também se serviam de galhos de árvores e pedaços de pau a fim de desenterrar raízes, derrubar frutos, fisgar peixes, matar animais e para se defender. Nada, porém, restou desses instrumentos que o tempo se encarregou de destruir. Os instrumentos mais antigos encontrados em escavações são de pedras, chifres e etc. Como os objetos de pedra são mais numerosos, chamou-se ao primeiro período da Pré-história de Idade da pedra. E como os diferentes tipos de armas e utensílios eram alguns mais toscos, outros mais aperfeiçoados, dividiu-se a Idade da pedra em pedra lascada, ou Paleolítico, e pedra polida, ou Neolítico. Quando a espécie humana descobriu como fazer uso dos metais teve início a Idade dos Metais; e quando por volta de 3000 a.C., o homem inventou a escrita, podendo assim registrar fatos significativos de sua existência, usos e costumes, teve início a "História".

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Dilma e o Código Florestal

Fonte: Frente Parlamentar Ambientalista
11/8/2010
Ontem a candidata Dilma Rousseff foi a primeira dos três presidenciáveis a conceder uma entrevista aos jornalistas André Trigueiro e Carlos Monforte do Jornal da Dez da Globo News. Dilma pôde expressar suas opiniões sobre diversos temas, como problemas logísticos e perdas de receita federal, má infraestrutura de aeroportos e do transporte aéreo brasileiro, indicação de cargos políticos, meio ambiente e direitos humanos.
Quando questionada quanto aos planos e metas do Brasil em relação à redução do desmatamento e de emissões de gases estufa, compromisso assumido quando chefiava a delegação Brasileira na COP-15, em novembro de 2009 em Copenhagen, e sobre a possibilidade de estes não serem cumpridos devido à aprovação de um novo Código Florestal brasileiro proposto por Aldo Rebelo, ela respondeu com cautela. Disse que o código ainda não foi aprovado e que, provavelmente, não o será antes das eleições. Mas em relação à revisão do código, afirmou que não acredita em "conivência" com o desmatamento ou com desmatadores.
"Eu não concordo em tratar da questão tão grave do código florestal no momento eleitoral. Por quê? Porque se desencadeiam paixões de lado a lado. Agora eu dou minha posição sobre isso, eu não concordo de maneira nenhuma com nenhum procedimento que signifique diminuir essa luta que nós estamos tendo para reduzir o desmatamento no Brasil", declarou a ex-ministra da Casa Civil.
Eis aqui o principal trecho sobre as questões ambientais tratadas pela candidata. "Eu não acredito na aprovação do código antes da eleição. Eu acho que no pós eleição diminuem as paixões. Eu não concordo com conivência com o desmatamento e nem com leniência e flexibilidade com os desmatadores. Acho que nós conseguimos uma meta fantástica com Copenhagen e a minha presença em Copenhagen era uma forma do presidente Lula mostrar que o segundo cargo mais importante do governo não era nem o Itamarati e nem o Ministério do Meio Ambiente que estavam presentes na delegação, mas era a chefia da Casa Civil que assumia o compromisso de reduzir em 80% o desmatamento da Amazônia, em 40% do Cerrado e assumia metas claras que ninguém estava assumindo ali. Nós assumimos e dissemos assim que seja o que seja que dê (sic) nas negociações internacionais, nós vamos cumprir essas metas na área de agricultura e de energia.”
As próximas entrevistas com os outros dois candidatos serão no dia 10, no qual o Jornal das Dez receberá Marina Silva, candidata do PV e no dia 11 com o candidato do PSDB, José Serra.

Congresso absolve MST

por Frei Betto
O MST jamais desviou dinheiro público para realizar ocupações de terra — eis a conclusão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito(CPMI), integrada por deputados federais e senadores, instaurada para apurar se havia fundamento nas acusações, orquestradas pelos senhores do latifúndio, de que os movimentos comprometidos com a reforma agrária se apoderaram de recursos oficiais.
Em oito meses, foram convocadas 13 audiências públicas. As contas de dezenas de cooperativas de agricultores e associações de apoio à reforma agrária foram exaustivamente vasculhadas. Nada foi apurado. Segundo o relator, o deputado federal Jilmar Tatto (PT-SP), “foi uma CPMI desnecessária”.
Não tão desnecessária assim, pois provou, oficialmente, que as denúncias da bancada ruralista no Congresso são infundadas. E constatou-se que entidades e movimentos voltados à reforma fundiária desenvolvem sério trabalho de aperfeiçoamento da agricultura familiar e qualificação técnica dos agricultores.

Para ler todo o artigo de Frei Betto, entre no site:


Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental

Federação da Agricultura do Estado do Espírito Santo (FAES), através de seu Conselho de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (COMARH), com o apoio do Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA, está iniciando uma pesquisa (inéditas e em âmbito estadual) voltada ao estudo da percepção ambiental dos produtores rurais. Entre outros objetivos, a pesquisa visa assegurar à FAES informações adicionais para seu programa de conscientização ambiental do segmento dos produtores rurais. É pretensão do NEPA levar (posteriormente) esta importante pesquisa para outros Estados de modo a, progressivamente, ter o cenário da percepção ambiental nacional do segmento. O NEPA acaba de concluir na Região da Grande Vitória (ES), pesquisa também inédita para a região, um estudo da percepção ambiental da sociedade frente à problemática (causas, efeitos, prós e contras) das mudanças climáticas.
Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.
Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA

domingo, 1 de agosto de 2010

Debate "aquecido" sobre o aquecimento global

Depois da discussão acalorada sobre transgênicos no primeiro dia da reunião anual da SBPC, ontem foi a vez do aquecimento global. O papel do homem nas mudanças climáticas foi o tema escolhido para a segunda edição do “Ciência em ebulição” – um debate destinado a confrontar pontos de vista antagônicos sobre questões polêmicas da ciência.
Leia a matéria no site do IHU ou na revista Ciência Hoje On-line:
http://cienciahoje.uol.com.br/especiais/reuniao-anual-da-sbpc-2010/debate-aquecido


Seguidores

Na sua opinião, Ecologia é:

Loading...

Dicas de blogs

Papel de Parede

Lago Sereno Rosa São Miguel das Missões - RS Tranqüilidade