terça-feira, 22 de junho de 2010

Em defesa do Código Florestal

Confira o material do MST sobre o Código Florestal Brasileiro

A POSIÇÃO DO MST
Em defesa da preservação ambiental - nota com a posição oficial do MST
"Código Florestal deve ser preservado” - entrevista com dirigente do MST

I Fórum Internacional da Temática Indígena na UFRGS


De 27 a 30 de Junho
Local: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo – Auditório Barbosa LessaAvenida dos Andradas, 1223 – 4º andar/ Bairro - Centro Histórico Porto Alegre – Rio Grande do Sul (Brasil)Carga Horária: 40 horas aula. Vagas : 150 vagasValores: 30 reais, com isenção de taxas para indígenas. O pagamento será efetuado no local, entre as 16:00 -18:00 horas.Promoção: Programa de Pós-Graduação em História/UFRGS

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Morro Santa Tereza


CNBB apóia plebiscito pelo limite de propriedade da terra


Pastorais Sociais e Organismos da CNBB confirmam apoio ao plebiscito pelo limite de propriedade da terra e ao Grito dos Excluídos

As coordenações nacionais e regionais das Pastorais Sociais e dos Organismos que fazem parte da Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da CNBB, divulgaram uma carta em que manifestam seu apoio e participação tanto no Grito dos Excluídos quando no Plebiscito Popular por um limite da propriedade da Terra no Brasil. A carta, divulgada no encerramento do encontro das coordenações, em Brasília, na quarta-feira, 16, é assinada pelo presidente da Comissão, dom Pedro Luiz Stringhini.

"Esta decisão [de participar do Grito dos Excluídos e do Plebiscito] tem como base a consciência de que a democratização da terra através da reforma agrária é uma luta histórica do povo e uma exigência ética afirmada pela CNBB há décadas."

O Plebiscito é uma das ações concretas propostas pela Campanha da Fraternidade deste ano que discutiu o tema "Economia e vida".
Site da CPT Nacional: http://www.cptnacional.org.br/

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Comissão adia votação do Código Florestal e ONGs pedem definição de presidenciáveis


Pedido de vista coletivo ao parecer do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) nesta segunda-feira, 15 de junho, levou o presidente da Comissão Especial do Código Florestal, Moacir Micheletto (PMDB-PR), a suspender a sessão e convocar nova reunião para discussão e votação do relatório na segunda-feira, dia 21, às 14 horas.



Por uma verdadeira liderança do Brasil no enfrentamento das mudanças climáticas

Leia o texto da CNBB, com data de 18 de fevereiro de 2010.
(construção coletiva coordenada por Ivo Poletto e Luiz Zarref)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

A história da água potável - Story of Bottled Water (Português)



Dos mesmos produtores que "História das Coisas"

Lançado em março de 2010, o filme The Story of Bottled Water explora ao longo de sete minutos os ataques da indústria de garrafas d'água sobre a água de torneira, bem como o uso de sedutoras campanhas publicitárias com motivos supostamente sustentáveis para encobrir as montanhas de lixo de plástico que produzem. Nos Estados Unidos, mais de meio bilhão de garrafas d’água são consumidas semanalmente. A conclusão do filme onvida os espectadores a consumir água de torneira, não apenas assumindo um compromisso pessoal de evitar a gua de garrafa, mas também cobrando investimentos que disponibilizem água de torneira potável para todos.


sábado, 5 de junho de 2010

Dois anos de blog Olhar Ecológico

Em maio de 2008 iniciei, em caráter experimental, as postagens no blog Olhar Ecológico e no dia 5 junho seguinte comecei a divulgar o modesto blog, que hoje está completando dois anos. Escrevi na apresentação que meu objetivo era poder exercitar o olhar ecológico, e aprender a ver o mundo e a vida na Terra numa ótica ecológica. Daí o nome do blog Olhar Ecológico.

A ecologia cabe em todas as áreas da ação e do conhecimento humano e todas as situações da vida podem e devem ser olhadas na ótica da ecologia. Por isso se fala em olhar holístico e mais completo que holístico, é o olhar ecológico. “Um olhar ecológico vê o ambiente inteiro, as interações do ser humano com o meio ambiente, os animais, as plantas e todas as formas de vida. Precisamos olhar a política, a economia, a religião, a sociedade e as mais diversas áreas da ação e do conhecimento humano numa ótica ecológica.”

Seguem algumas ideias e palavras para celebrar os dois anos do blog Olhar Ecológico...

Vivemos um clima de preocupação com situações como ondas de calor, tufões, tornados e outros fenômenos que ocorrem ao redor da Terra causando maior ou menor visibilidade, mas que surgem de forma inesperada. É o aumento das temperaturas dos oceanos e do nível do mar, o degelo das calotas polares nos indicando que se trata de uma real situação de mudanças climáticas. É verdade que existem as mudanças climáticas naturais, que acontecem sem a intervenção humana. Mas, as mudanças climáticas antropogênicas, as provocadas pela ação do ser humano, não são mito nem moda. Elas estão aí.

É preciso reconhecer que nos encontramos numa crise ecológica, uma degradante situação planetária que afeta a vida de muitos e logo poderá lesar a vida de todos os habitantes da Terra. E esta realidade é fruto de uma concepção de mundo. Tratamos o mundo da forma de como o vemos. Nossos comportamentos são frutos dos nossos valores. Por isso, ao falar em ecologia, sempre se fala da necessária mudança de paradigma, que pode ser definido como “uma constelação de concepções, de valores, de percepções e de práticas compartilhados por uma comunidade” (CAPRA, 2006, p.24-25).

Para mudar é preciso um novo paradigma civilizacional. Neste modelo de sociedade excludente não poderá haver uma reunião de idéias, projetos e sonhos para mudar a face da Terra. O atual modelo de sociedade é que está em crise e vencido. Na contramão do paradigma vigente, que é hegemônico, há um novo paradigma emergente que é de natureza diversa. É preciso apostar num novo paradigma, que para ser novo e universalmente aceito, não pode ser hegemônico, mas diverso. (BOFF, 2004, p. 23-25).

A concentração dos privilégios, das riquezas, dos poderes e das impunidades e a “democratização” da miséria, da fome, do medo e do desespero são as marcas de um modelo de sociedade que, em nome do lucro e do “desenvolvimento” não se importa em tratar mal o ser humano e o meio ambiente. A situação de miséria humana, os pobres excluídos e explorados e a natureza degradada acusam a falácia do pensamento único, este sistema que nada salva e nada liberta, mas leva cada vez mais o mundo a uma realidade de horror e de agudo desespero.

Este sistema alimentado pela mentira - a mentira da derrota da esperança e do sonho - quer promover uma partilha do mundo, que “consiste em concentrar o poder no poder e a miséria na miséria” (Subcomandante Marcos, em 20/01/1996). Este modelo excludente não poderá levar o planeta a uma realidade saudável, de sustentabilidade, com garantia de vida para o futuro. É preciso ter coragem para mudar e construir um novo modo de vida, que não se trata de um sistema criado, inventado por algum pensador iluminado. Precisamos de um novo paradigma que se constrói com todos juntos pensando e trabalhando solidariamente.

E o novo paradigma deve ser holístico, o que também pode ser chamado de “visão ecológica”. O físico Fritjof Capra considera que o termo “ecológico” é até mais apropriado que o termo “holístico” para caracterizar o novo paradigma. Numa visão holística, por exemplo, sobre uma bicicleta: vemos e compreendemos o todo da bicicleta e a interdependência de suas partes. E o olhar ecológico sobre a bicicleta, por exemplo, além de ver e compreender o seu todo e a interdependência de suas partes, também acrescenta a percepção de como a bicicleta se encaixa, interfere no ambiente natural e social. Um novo paradigma que concebe o mundo como um todo integrado, e não uma coleção de partes dissociadas (cf. CAPRA, 2006, p. 25-26).

Numa concepção holística, ecológica de mundo, o ser humano não é o centro e também não é o tecelão da teia da vida, mas é parte desta teia viva e traz consigo uma missão muito especial. Não somos nós que vamos salvar o planeta, mas podemos viver de tal modo que possamos estar colaborando com a vida. A Terra sabe se regenerar e precisamos dar a nossa contribuição para que isso aconteça. Em vez de querer salvar o planeta, vamos pensar e agir com o propósito de “nos salvarmos com o planeta” (Agenda L.A 2010)

Saudações ecológicas

Pilato Pereira

Dia Mundial do Meio Ambiente, o Dia da Ecologia

Neste Dia Mundial da Ecologia, creio que as circunstâncias nos desafiam a resgatar o amor existente entre nós humanos e a natureza, resgatar nossa fraternidade universal. Como fez São Francisco de Assis em sua vida, o que expressa no Cântico das Criaturas. Precisamos nos reconciliar com a Vida. E para bem celebrar o Dia da Ecologia, também é importante lembrar os passos progressivos que a humanidade vem dando no rumo da sustentabilidade. Mas precisamos nos penitenciar pela lentidão desta caminhada, pela falta de vontade e interesse com que são tratados os problemas da humanidade e do planeta. O desenvolvimento ou o crescimento econômico não deve ser a questão de emergência. O emergencial hoje é ter alimento na mesa de todos, é promover a paz, os direitos da pessoa humana e o cuidado com a natureza. O emergente é a vida clamando por dignidade. E isto precisa ser celebrado neste Dia Mundial da Ecologia e ser vivenciado durante todos os outros dias.

Seguidores

Na sua opinião, Ecologia é:

Loading...

Dicas de blogs

Papel de Parede

Lago Sereno Rosa São Miguel das Missões - RS Tranqüilidade