quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Tempo para a Criação


Todos os anos o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) trabalha uma campanha ecumênica chamada “Tempo para a Criação” que inicia no dia 1º de setembro por ser o primeiro dia do ano do calendário eclesiástico da Igreja Ortodoxa, estendendo-se até 4 de outubro, que é a Festa de São Francisco de Assis, na tradição católica romana e anglicana, e por ser um santo universal, admirado por diversas denominações e manifestações religiosas no mundo inteiro.
São Francisco de Assis é a referência nesta campanha ecumênica, que é um tempo de oração, reflexão sobre o cuidado e o uso justo dos dons da natureza que recebemos de Deus, e assim, renovar o compromisso ecológico. O Tempo para a Criação faz parte das iniciativas  do programa da justiça climática do CMI através do qual, igrejas, organizações ecumênicas e redes religiosas enfatizam o aspecto ético e espiritual do debate sobre questões ambientais.
Para Dom Rowan Williams, primaz da Igreja Anglicana, arcebispo de Cantuária o Tempo para a Criação é um momento oportuno de oração e ações para concretizar a união das igrejas em defesa da vida, anunciando a boa nova para toda a criação de Deus. É a hora de “pedirmos a Deus para nos revigorar, nos unir e nos inspirar em torno dessa visão de uma boa nova universal”. O Tempo para a Criação é uma forma de resgatar o valor e a dignidade de toda a criação e de promover a conscientização de que ela também espera ansiosa pela libertação prometida ao gênero humano. 
Quando a comunidade humana é curada do seu pecado e do seu medo, do egoísmo, da ganância e da ansiedade, isso se expressa na natureza. Pois, "o propósito de Deus para toda a Criação é a glória para tudo o que foi criado. A própria Criação será liberta da escravidão da corrupção e obterá a liberdade da glória dos filhos de Deus", afirma Williams.
Além de um evento adicionado ao calendário litúrgico das igrejas cristãs, o Tempo para a Criação é o contínuo despertar para a mudança, é a conversão ecológica, onde o ser humano, numa visão holística, compreende seu lugar na criação. Tudo é criatura de Deus, que muito ama todas as formas de vida que criou. Esta é a oportunidade em que os cristãos podem encorajar uns aos outros e a toda a humanidade quanto aos fenômenos das mudanças climáticas. E como cristãos, não devemos promover o pânico, que nada muda. Podemos, sim, contribuir com a mudança, partilhando boas novas, anunciando que haverá vida para toda a Criação. É, portanto, um tempo de resgatar a esperança e, num clima de conversão, reafirmar o compromisso ético de mudanças nas atitudes humanas para deter a injustiça climática.
O Tempo para a Criação, mais do que uma atividade das igrejas cristãs, é uma porta que se abre para que os cristãos se unam com outras religiões numa mesma roda de dialogo em busca de soluções eficientes e eficazes no cuidado da criação. É também uma oportunidade para que diferentes religiões orem de mãos dadas no mesmo santuário da vida, como fez São Francisco de Assis, e que deixou registrado no Cântico das Criaturas.
O  Tempo para a Criação provoca para o debate sobre a Terra e toda sua biodiversidade. Ajuda as pessoas a compreenderem o sentido da humanidade  como uma comunidade de vida onde todos são responsáveis por todos e por tudo. É o despertar para um olhar ecológico e holístico, com a compreensão de que somos a comunidade Terra. Nosso Planeta é uma comunidade de vida e os seres humanos precisam compreender seu lugar em meio a toda a biodiversidade existente na Terra. Ou seja, com o Tempo para a Criação quer fazer o ser humano deixar a natureza ser ela mesma e assumir uma postura fraternal e amorosa frente a todas as formas de vida. É o momento para o despertar da ciência de que somos parte da Terra e que estamos o tempo todo interferindo positiva ou negativamente na vida do planeta. E com o Tempo para a Criação podemos influenciar na harmonia da vida.
O CMI declara que “a Terra e seus habitantes não podem esperar mais”.  Por isso conclama as igrejas membro e todo o movimento ecumênico, bem como, as outras religiões para “continuar orando e falando, expressando o grito dos pobres e da Terra nestes momentos cruciais”. O Tempo para a Criação é uma ótima oportunidade para unir igrejas e religiões em defesa da vida que é obra das mãos de Deus. Quiçá aos poucos, com nossas Igrejas, religiões e comunidades, assumamos esta campanha como um tempo de oração, reflexão sobre o cuidado e o uso justo dos dons da natureza que recebemos de Deus, e assim, renovemos em comunhão de fé o compromisso com a defesa da justiça e da paz com a criação.
Pilato Pereira - mestre em Teologia pela PUCRS, com pesquisa sobre Ecologia e Ecumenismo. 

Seminário com catadores aborda Cooperativismo e Cadeia Solidária do PET


A Associação Caminho das Águas, coordenada por Irmão Antônio Cechin, realiza neste sábado (25/8) no auditório do Círculo Operário Leopoldense (COL), em São Leopoldo, o seminário Cooperativismo e Cadeia Solidária Binacional do PET. O encontro inicia às 9h e contará com a participação de catadores de materiais recicláveis e educadores sociais populares dos 14 coletivos de catadores da Região Metropolitana de Porto Alegre que integram o projeto Caminho das Águas - Ecoprofetas, idealizado pela associação e patrocinado pelo Programa PETROBRAS Desenvolvimento & Cidadania.
Durante o seminário serão apresentados aspectos gerais sobre a Lei do Cooperativismo(nº 5764/71) e suas alterações através da Lei 12.690/12, relacionados com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS - Lei 12.305/10). Também será analisada a participação dos coletivos de catadores na Cadeia Solidária Binacional do PET.
O encontro, que encerra às 16h, contará também com apresentações culturais e processos de sensibilização.
Informações: (51)3061.1113 - ecoprofetaspedagogico@gmail.com
www.ecoprofetas.org.br - ecoprofetas-rs.blogspot.com.br

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Um exemplo de político ecologicamente correto


Muitos políticos e candidatos julgam ser politicamente correto falar de ecologia, mas as suas práticas e ações políticas são ecologicamente incorretas. No entanto, esta não é uma regra geral. Pois, existem políticos que agem politicamente pela sustentabilidade do Planeta, que trabalham ecologicamente na politica. São poucos, mas eles existem e podemos apresentar exemplos. Quem leu o blog do vereador Ivo Fiorotti de Canoas, pode constatar que o parlamentar, além do trabalho cotidiano em apoio a causa da ecologia,  também apresentou e conseguiu aprovar na Câmara Vereadores diversas leis ambientais. Confira a reportagem que segue:

Nas últimas eleições nenhum candidato ou candidata tem deixado de fora de seus discursos as palavras "ecologia, sustentabilidade e meio ambiente". Mas, o vereador Ivo Fiorotti vai além do discurso e neste seu primeiro mandato em Canoas, realmente, legislou pela sustentabilidade do Planeta.  Para o vereador Ivo Fiorotti, ecologia, sustentabilidade e meio ambiente, não são apenas palavras, são princípios de vida e ações concretas do seu dia-a-dia. Como recorda o coordenador da Pastoral da Ecologia do Rio Grande do Sul, Frei José Deon, "como líder comunitário, o Ivo ajudou o Irmão Antônio Cechin na organização da reciclagem, que tornou-se política pública. E hoje como vereador, ele criou importantes leis ambientais para Canoas". Sabemos que a preocupação com a vida do Planeta também perpassa pela cidade onde vivemos, por isso, o vereado Ivo Fiorotti propôs leis ambientais que garantem a cidadania ecológica. Veja alguns exemplos de leis de autoria de Fiorotti:
Lei Nº 5390, de 17 de Junho de 2009 criou, no Município de Canoas, o Programa de Destino de Resíduos Sólidos voltado aos estabelecimentos que necessitem de licenciamento ambiental para o seu funcionamento. A Mesma lei também possibilita ao Poder Público a criação do "Selo Amigo do Reciclador" para incentivar a boa conduta dos geradores de resíduos sólidos.
Lei Nº 5451, de 4 de dezembro de 2009, estabelece a obrigatoriedade na separação do lixo seco e do lixo orgânico em Canoas. Além da sua dimensão ecológica, ajudando na sustentabilidade do Planeta, esta lei também beneficia as pessoas que trabalham com a reciclagem, gerando trabalho, renda e dignidade para muitas famílias.
Lei Nº 5468, de 23 de dezembro de 2009, dispõe sobre calçadas ecológicas na cidade de Canoas e foi alterada pela Lei 5590 de 2011 para garantir os princípios da acessibilidade e sustentabilidade ecológica. Por esta lei, os passeios públicos devem garantir a acessibilidade universal e permitir espaço de permeabilidade para água de chuva, possibilitando mais vegetação na cidade e menos alagamentos.
Lei Nº 5615, de 9 de setembro de 2011, criou o Dia Municipal do Bem-Estar Animal, integrando ao calendário oficial do Município, a ser comemorado anualmente no dia 4 de outubro, Festa de São Francisco, o santo padroeiro dos animais e da ecologia. Esta lei ajuda o Poder Público e a sociedade civil organizada a promover a conscientização sobre o Bem-Estar Animal no Município de Canoas. Fiorotti também apoiou a organização do Fórum Municipal do Bem-Estar Animal que mobilizou diversos militantes desta causa, que conquistaram, através do Orçamento Participativo, a construção do Centro do Bem-Estar Animal com políticas públicas voltadas ao respeito com os animais.
No Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho de 2011, o mandato do vereador Ivo Fiorotti realizou o lançamento virtual da campanha ecológica “Somos Vivos, Solidários com a Vida do Planeta”, com o objetivo de promover a conscientização ecológica. E durante todo seu mandato, o vereador tem apresentado pedidos de providências e indicações para solucionar problemas da vida urbana que estão relacionados ao meio ambiente. Uma das lutas do vereador também é por um meio de transporte mais prático e, ecologicamente, sustentável para a cidade de Canoas, sugerindo, inclusive a implantação aeromóvel entre Guajuviras e Mathias Velho. Fiorotti, através de seu mandato de vereador, tem dado muito apoio aos eventos de conscientização ambiental, como a Romaria das Águas e a bicicletada Sepé Tiaraju, entre outros.
Na sua trajetória como militante comunitário e como religioso franciscano, Fiorotti sempre levou à sério a questão ecológica. Na comunidade e na família, no dia-a-dia, Ivo dá testemunho de respeito e cuidado com o meio ambiente, sendo um dos idealizadores e cultivadores da Horta Comunitária (HOCOUNO), na Vila União dos Operários, onde reside. Como vereador Ivo Fiorotti trabalhou e vai continuar lutando em defesa do meio ambiente. Por isso, quem quer um vereador ecológico, vota 13114.
Fonte: ivofiorotti13114.blogspot.com.br

Seguidores

Na sua opinião, Ecologia é:

Loading...

Dicas de blogs

Papel de Parede

Lago Sereno Rosa São Miguel das Missões - RS Tranqüilidade